Acossados por protestos, museus começam a conjugar o verbo descolonizar

686
British Museum recebe críticas
Whitney decide cancelar mostra
Museu é acusado de espoliar

A peça mais comentada na reabertura da British Museum de Londres, no final de agosto, não foi nenhuma obra de arte, mas um aviso colocado ao lado do busto de Sir Hans Sloane (1660-1753). Sloane é ninguém menos do que um dos fundadores do British Museum, aberto seis anos depois de sua morte. Sua coleção de 71 mil objetos formaram o acervo inicial do British Museum de Londres, da British Library e do Natural History Museum. O aviso que se espalhou pelo mundo dizia que Sloane fez fortuna com o uso de trabalho escravo nas fazendas da Jamaica em que cultivava cana de açúcar. A mensagem é simples: um museu que trata de história não pode esconder a própria história debaixo do tapete.

O movimento Vida Negras Importam nasceu nos Estados Unidos, mas é na Inglaterra que ele está modificando o modo de exibir história e arte. Os museus norte-americanos até tentam se adaptar às pressões dos novos tempos, mas o resultado tem sido tímido ou patético.,

O British Museum não mudou apenas o contexto histórico de seu pai-fundador, mas está começando a alterar o modo de narrar a história colonial do império britânico. As peças que vieram da expedição de James Cook (1728-1779) pela Nova Zelândia e Austrália agora afirmam que elas foram recolhidas num contexto de “guerra colonial e saques militares”.

Houve aplausos ao British Museum, mas a reação predominante dos especialistas parece ser a de que isso tudo é “pouco para aplacar o racismo estrutural da instituição”, como escreveu Lanre Bakare no The Guardian.

Os argumentos do crítico não são desprezíveis. O British Museum tem só um curador negro entre os mais de 20 departamentos. A relação do museu com antigas colônias é para lá de problemática. Veja o caso da coleção que ficou conhecida como Bronzes do Benin –800 peças preciosas, fundidas numa técnica chamada de cera perdida dos séculos 13 a 16. A maior parte do lote foi resultado de um saque que o Exército britânico fez no final do século 19 ao reino do Benin, numa ação que não difere em nada do que os nazistas faziam no norte da África e com coleções de judeus. Mil e duzentos soldados britânicos roubaram as peças e incendiaram a cidade. Os bronzes compõem um mostruário da barbárie. Tudo isso está explicado no site do museu e nas legendas que estão ao lado das peças. Será suficiente?

A Nigéria, onde fica cidade do Benin, acha que não. Desde 2018 o país pede a devolução da coleção. O museu britânico diz ter as melhores relações com os nigerianos Benin e que as peças serão devolvidas quando um museu para abriga-las ficar pronto. Há mais de 200 anos o British Museum empurra com a barriga a devolução dos mármores de Elgin, roubados da Grécia com pagamento de suborno à polícia pelo embaixador Thomas Bruce, o lorde Elgin, em 1806.

Do outro lado do Atlântico a situação é mais conturbada ainda. Em Nova York, que abriga a vanguarda dos movimentos negros, o cenário beira a caricatura no Whitney Museum. O museu teve a ideia de reunir tudo quanto é tipo de panfleto, cartaz, música e obras de arte que foram criadas nos últimos meses junto com o movimento Vidas Negras Importam e com a pandemia. A exposição seria um marco da retomada do Whitney pós-pandemia. O título era pretencioso: “Coletive Actions: Artist Interventions in a Time of Change” (Ações Coletivas: Intervenções Artística em Tempo de Mudança). Seria aberta em 17 de setembro, mas foi cancelada depois que artistas negros acusaram o museu de espoliar e comprar de maneira predatória obras que integravam a mostra.

O museu havia adquirido por US$ 100 fotos que valem entre US$ 5 mil e US$ 10 mil no mercado de arte. Um grupo de fotógrafos negros resolveu criar a iniciativa See in Black (Veja em Preto) para levantar fundos para comunidades negras que estão na miséria na pandemia. Um liberal desavisado pode até achar que o museu apenas aproveitou uma oportunidade de mercado. Não é bem assim. Museu em países que têm dinheiro usam seus recursos para financiar, direta ou indiretamente, artistas. Sem a compra dos museus, a maior parte dos artistas não teria como sobreviver. Foi tamanha a grita de que a prática era inaceitável que o Whitney cancelou a mostra.

O Brasil, por incrível que pareça, até que vai bem nessa área, pelo menos nos museus de arte. O Masp (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand) foi pioneiro no país em trazer essa discussão para o país desde que o crítico Adriano Pedrosa assumiu a direção artística do museu, em 2014. Algumas das melhores exposições de arte dos últimos anos foram realizadas no Masp, colocando o foco em mulheres, negros e índios. A Pinacoteca está seguindo um caminho similar. No Rio, o MAR (Museu de Arte do Rio) fez exposições antológicas sobre samba e o morro que fica ao lado do museu. O Museu de Arte Moderna do Rio, em uma nova dentição, escolheu uma diretora artística negra: a carioca Keyna Eleison vai trabalhar junto com o espanhol Pablo Lafuente. Ambos foram escolhidos por meio de um concurso. A ideia é virar a chave da cultura branca que domina os museus.

Fonte: Poder 360