Fábio Faria assume Comunicações e fala em amor e armísticio patriótico Fez discurso apaziguador

492

Com discurso apaziguador, o novo ministro das Comunicações, Fábio Fária, tomou posse na manhã desta 4ª feira (17.jun.2020) numa cerimônia realizada no Palácio do Planalto, sede do Poder Executivo.

“Permanecem agora 3 coisas: a fé, a esperança e o amor. Porém, o maior deles é o amor. Que o amor pelo Brasil possa nos unir como brasileiros”, disse.

Foi assim que Faria finalizou seu discurso. O trecho é uma contraposição ao chamado “gabinete do ódio”, que tem assessores palacianos que provocam críticas a adversários políticos de Bolsonaro.

O filho 02 do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), assistiu ao discurso no mezanino do Planalto. Ele é responsável por idealizar a estratégia de redes sociais do presidente.

Faria conseguiu levar para a solenidade os presidentes do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O presidente do PSD, Gilberto Kassab, que foi ministro das Comunicações no governo do ex-presidente Michel Temer, também estava no evento. Fábio Faria era deputado federal pelo mesmo partido de Kassab.

Os jogadores de futebol Felipe Melo, do Palmeiras, e Alexandre Pato, do São Paulo, bem como o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, também foram à cerimônia.

Chamou a atenção que o ministro Abraham Weintraub (Educação) não estava presente. Até porque haveria dificuldade em Toffoli e Maia estarem numa mesma cerimônia que Weintraub.

O novo ministro das Comunicações declarou que a pandemia da covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus) torna necessário 1 “armistício patriótico” e deixar a “arena eleitoral para 2022”.

“É preciso, sobretudo, respeito. E que deixemos as nossas diferenças político-ideológicas de lado para enfrentar esse inimigo invisível comum, que lamentavelmente tem tirado a vida de milhares de pessoas e gerado danos incalculáveis à Economia. É hora de pacificar o país”, afirmou.

A posse de Fábio Faria guarda similitude com o início do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), há 25 anos, em 1995.

Naquela época, Sérgio Motta assumiu o Ministério das Comunicações, que foi comissionado por FHC a privatizar o sistema de telefonia brasileira, a comandar informalmente a articulação política do governo e coordenar a reeleição do tucano.

LEILÃO DO 5G E PRIVATIZAÇÕES

Faria falou em “avanços tecnológicos” nos campos da telefonia, da internet, rádio e TV. Citou Anatel, Correios, EBC e Telebras. Reportagem do Poder360 publicada na última 5ª feira (11.jun) mostrou que o leilão da internet e as privatizações de empresas públicas estavam no pano de fundo para a recriação da pasta.

“Passo fundamental para esse objetivo [de ampliar acesso à internet] é a implementação da infraestrutura para o 5G, que permitirá uma banda larga móvel, de altíssima potência e qualidade e impacto na economia, além de proporcionar aos brasileiros grande acesso ao conhecimento”, disse.

O novo ministro também mencionou as concessões de outorgas de serviços de radiodifusão, que vinha sendo tocada pelo ministro Marcos Pontes. Ele acumulava as Comunicações em sua pasta.

“Um desses desafios é democratizar o acesso às tecnologias de vanguarda da comunicação, de modo a conectar todos os cidadãos na chamada sociedade da informação. Esse trabalho vinha sendo muito bem conduzido pelo ministro Marcos Pontes e necessitará do seu apoio continuado à frente do MCTI por ser 1 dos projetos comuns às nossas pastas”, afirmou Faria.

Pontes também discursou e mencionou as concessões de outorgas. Disse que havia 73 mil processos parados quando assumiu o ministério. Agora, segundo ele, são 37 mil. Reportagem do Poder360 publicada em 30 de dezembro de 2019, no entanto, mostrou que o governo fechou aquele ano com número irrisório de renovações de concessão.

Fábio Faria assume as Comunicações também com a tarefa de articulação política. A concessão de outorgas é parte importante dessa tarefa, já que os serviços de comunicação de “vanguarda” são importantes para políticos comunicarem suas ações em mais de 5,5 mil municípios do país.

Fonte: Poder 360