Valdemar Costa Neto faz vídeo convidando Bolsonaro a ir para o PL.

276

O presidente do Partido Liberal (PL), o ex-deputado federal Valdemar Costa Neto, gravou um vídeo, divulgado nesta segunda-feira (25) nas redes sociais do partido, convidando o presidente Jair Bolsonaro a se filiar à legenda em sua busca pela reeleição. Na publicação, Valdemar Costa Neto diz que a sigla se preparou muito para a disputa de 2022 e, por isso, reitera o convite para o chefe do Executivo, seus filhos e aliados. Além do PL, o PP e o PTB também tentam filiar o atual presidente.

“É chegada a hora em que nosso partido desempenhará um papel de maior protagonisdmo no contexto da política nacional. Organizando chapas robustas para o Senado, assembleias estaduais e Câmara Federal de Norte a Sul do país. Nós disputaremos a preferência do voto, inclusive nas disputas para governos estaduais. No curso desses 36 anos de jornada, nos preparamos para a relização de um projeto partidário arrojado, voltado para as eleições de 2022. Por essa razão, estamos reiterando o convite de filiação partidária, dirigido ao presidente Jair Bolsonaro, seus filhos e fieis seguidores da causa brasieira sob sua liderança. Inspirados na grandeza desse passo, seguiremos orientados pela fé no futuro do Brasil, certos de nossas convicções na batalha de reeleição do presidente Bolsonaro pelo Partido Liberal”, disse Valdemar Costa Neto no vídeo.

Antigo aliado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Valdemar Costa Neto renunciou ao mandato de deputado federal em 2013, após ter sido condenado por envolvimento no mensalão, como ficou conhecido o esquema de compra de votos que, entre outras coisas, ajudou a garantir a aprovação da reforma da Previdência no governo petista. Condenado a sete anos e dez meses de prisão. Chegou a ficar quase um ano preso e, depois, passou a cumprir a punição em prisão domiciliar. Em 2016, porém, foi libertado definitivamente após o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF) conceder o perdão de sua pena. De lá para cá, retomou protagonismo político e tornou-se um dos principais aliados do presidente Jair Bolsonaro, inclusive comandando nomeações em bancos públicos.

JORNAL O TEMPO