Inteligência dos EUA diz que China, Rússia e Irã tentam interferir em eleição

796
Tentam usar desinformação on-line
China e Irã querem vitória de Biden
Rússia prefere reeleição de Trump

O diretor do Centro Nacional de Contra-inteligência e Segurança dos Estados Unidos, William Evanina, emitiu 1 comunicado na 6ª feira (7.ago.2020) dizendo ter evidências de que China, Rússia e Irã tentam interferir nas eleições norte-americanas. Não disse, porém, se o país está tomando alguma providência para evitar essa intervenção.

Evanina disse que, desde maio de 2020, já apresentou ao governo 20 relatórios confidenciais sobre a influência externa nas eleições dos Estados Unidos. Declarou que adversários estrangeiros podem tentar fraudar as eleições ao, por exemplo, roubarem dados eleitorais. Para ele, no entanto, “vai ser difícil para nossos adversários interferirem ou manipularem resultados em grande escala“.

Ele alerta que China, Rússia e Irã já demonstraram ter preferências quanto ao vencedor e vão tentar espalhar desinformação on-line para influenciar os eleitores.

A China tem expandido seus esforços de influência antes de novembro de 2020 [data das eleições nos EUA] para moldar o ambiente político nos Estados Unidos e pressionar figuras políticas que ela vê em oposição aos interesses da China“, escreveu Evanina. Segundo o diretor, os chineses preferem a vitória do democrata Joe Biden.

A Rússia, de acordo com Evanina, está “usando uma série de medidas para depreciar o ex-vice-presidente Biden e o que considera 1 ‘sistema’ anti-Rússia“. “Alguns atores ligados ao Kremlin também buscam impulsionar a candidatura do presidente Trump nas redes sociais e na televisão russa“, avaliou o diretor. A Rússia foi acusada de ter interferido no resultado das eleições em 2016, que levou Trump à Casa Branca. Ao longo de sua presidência, Trump vem tachando essas imputações como conspiração.

Com relação ao Irã, o órgão norte-americano julgou que o país “busca minar as instituições democráticas dos EUA, presidente Trump, e dividir o país antes das eleições de 2020“. Para isso, os esforços de Teerã “se concentrarão na influência online, como espalhar desinformação nas redes sociais e fazer circular conteúdo contra os Estados Unidos“. Para Evanina, a reeleição de Donald Trump é vista no Iã como a continuação da pressão dos Estados Unidos para uma mudança no regime político iraniano.

Fonte: Poder 360