PM recaptura em São Paulo policial que fugiu de batalhão em Contagem, na Grande BH.

358

A Polícia Militar (PM) recapturou, no estado de São Paulo, um subtenente, de 49 anos, que havia fugido do 39º Batalhão, onde estava preso em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O policial serrou a grade da cela e pulou o muro. A fuga foi descoberta na segunda-feira (13), e foi a segunda em dois dias envolvendo militares.

O subtenente Mário Jorge Ferreira foi encontrado na cidade de Holambra (SP).

“Ele estava num mercado de flores naquela região. Ele passou por outros três locais. A fuga foi propiciada pela filha pela companheira e um primo. Essas três pessoas foram presas na noite anterior e isso propiciou o avançar das diligências e a localização dele no estado dele”, disse o coronel Wagner Mattos, comandante da 2º Região.

De acordo com o oficial, a previsão é que o militar chegue a Minas Gerais nesta tarde de quarta (15). A transferência dele será feita em uma aeronave da corporação, que vai partir do aeroporto de Viracopos com destino ao hangar da PM, em Belo Horizonte.

Segundo o coronel, o subtenente está na reserva e é um preso provisório, ou seja, ainda aguarda julgamento.

“Ele tem envolvimento com homicídio, quadrilha de crime organizado, questão de jogos de azar. (…) Ele é da reserva, está sendo submetido a um processo administrativo disciplinar para fins de exclusão dos quadros da Polícia Militar”, afirmou.

O comandante ainda disse que a fuga está sendo apurada pela corporação, com objetivo de esclarecer as circunstâncias e eventuais responsabilidades

“A dinâmica da fuga compreendeu inicialmente uma falha estrutural, que nós já estamos investigando através da corregedoria da Polícia Militar. Todos os militares que, naquela ocasião, tinham responsabilidade objetiva da custódia dele foram autuados em flagrante por força da nossa função de polícia judiciária militar e o caso agora esta sob avaliação da Justiça Militar do Estado de Minas Gerais”, falou.

Como foi a fuga

 

De acordo com o boletim de ocorrência registrado pela corporação, a equipe policial do batalhão, localizado no bairro Industrial, deu falta do preso por volta das 15h de segunda, horário do banho de sol dos acautelados.

O subtenente Mário Jorge Ferreira não estava no local, e na cama dele foram localizados travesseiros sob um cobertor e foi percebido que a grade de proteção da janela da cela estava danificada.

A informação da fuga foi repassada no batalhão e foram colhidas as versões dos policiais que estavam trabalhando no turno dos fatos e trabalharam no domingo (12). Segundo a polícia, no domingo, o homem recebeu a visita da noiva e de uma filha. Em contato com as duas mulheres, elas contaram que no encontro do fim de semana souberam pelo policial da intenção de fuga.

Na madrugada desta segunda, a noiva recebeu uma ligação do subtenente dizendo que já estava fora do batalhão e combinou um local de encontro, a casa de um primo dele, para que fossem repassados ao militar R$ 2 mil em dinheiro e algumas peças de roupa.

A mulher chegou a dizer que o noivo poderia ter se escondido na Serra do Cipó. Já a filha do subtenente também contou que fez contato com ele dentro da casa do familiar.

Viagem para São Paulo

 

O primo do militar contou que o subtenente chegou ao imóvel dele após contar que conseguiu serrar a grade da cela, pular um muro, passar por um depósito de construção e ter acesso à rua.

A fuga estava prevista para o dia 22 de dezembro, mas foi adiantada após Ferreira tomar conhecimento que, depois da fuga de um acautelado no 34º Batalhão, em Belo Horizonteseriam realizadas revistas nas celas.

O subtenente teria seguido para a cidade de Holambra, em São Paulo, onde pediu abrigo a um homem por cerca de dez dias.

Ainda conforme a polícia, seis militares receberam voz de prisão em flagrante delito pelo cometimento, em tese, de um crime previsto no código penal militar.

No registro policial consta que, na versão de alguns militares ouvidos, câmeras de segurança e alarme sonoro do batalhão apresentavam defeitos e os equipamentos estavam inoperantes não sabendo precisar há quanto tempo.

Em relação à noiva, à filha e ao primo do subtenente, um outro boletim de ocorrência foi registrado e encaminhado à Polícia Civil.

Em nota, a Polícia Civil disse que os “envolvidos foram ouvidos pela autoridade policial e assinaram Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) pelo crime previsto no Artigo 351 do Código Penal (Promover ou facilitar a fuga de pessoa legalmente presa ou submetida a medida de segurança detentiva)”.

A polícia falou ainda que o procedimento foi encaminhado à Justiça “para as providências cabíveis”.

Caso em Belo Horizonte

No último sábado (11), o 2º sargento Jorge Henrique Matos fugiu do 34º Batalhão de Polícia Militar, na região Noroeste de Belo Horizonte. Ele ainda não foi localizado até o início da tarde desta quarta (15).

Por meio de nota, a assessoria de imprensa da Polícia Militar informou que a corregedoria acompanha os casos envolvendo os dois militares que fugiram. Veja a nota na íntegra:

“A Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) esclarece que adotou as providências de Polícia Judiciária Militar previstas no artigo 9º, combinado com o artigo 243 e 247, todos do Código de Processo Penal Militar (CPPM), em desfavor dos policiais militares responsáveis pela guarda de dois militares que estavam presos em unidades da PMMG, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), à disposição da Justiça, e conseguiram fugir. A PMMG esclarece, ainda, que a Corregedoria está acompanhando o caso e que a instituição está realizando diligências para captura dos militares foragidos”.

G1 MG