Suspeitos queimam ônibus em BH e deixam bilhete reclamando de abusos em cadeia.

171

Os incendiários reclamavam de supostos abusos na penitenciária de Uberlândia, onde ocorreu um motim na última segunda-feira, eles prometeram queimar mais coletivo;

Um ônibus da linha 3503 (Santa Terezinha/ São Gabriel) foi incendiado, na madrugada desta terça-feira (9), por dois suspeitos no bairro Ouro Minas, região Nordeste de Belo Horizonte. Os criminosos deixaram um bilhete com o motorista do ônibus reclamando de supostos abusos que presos estariam sofrendo na Penitenciária Professor João Pimenta da Veiga, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, o motorista do coletivo contou que estava preparando para recolher o veículo quando foi abordado por dois suspeitos, sendo que um deles parecia ter 18 anos e o outro ser adolescente.

Os dois exigiram que o condutor descesse, o que ele fez imediatamente para manter sua integridade física. Os suspeitos estavam com um galão com uma substância inflamante que foi jogada no ônibus e depois atearam fogo iniciando o incêndio. Eles fugiram de carro.

O motorista do coletivo usou um extintor para conter as chamas. Ele recebeu um bilhete dos criminosos que dizia sobre supostos abusos que presos estariam sofrendo na Penitenciária Professor João Pimenta da Veiga, em Uberlândia.

No bilhete, os suspeitos ameaçam ainda que vão incendiar mais coletivos em ambas cidades(Belo Horizonte e Uberlândia) se suas reivindicações não forem atendidas. o conteúdo do bilhete não foi divulgado.

O ônibus foi levado para a garagem da empresa, onde será periciado pela Polícia Civil.

Ônibus ficou parcialmente destruído.

Presos fazem montim em penitenciária

Nesta segunda-feira (8), os presos do presídio de Uberlândia fizeram um montim no local. Segundo um boletim de ocorrência, houve gritaria generalizada, chutes nas portas das celas, quebras de construções das celas e ateamento de fogo em colchões, lençois, cobertas e uniformes.

Foram feitos dois disparos sem munição e spray de pimenta para tentar conter os detentos. Nenhum preso ficou ferido. Um dos detentos dizia que eles não poderiam parar que tinham que quebrar tudo e colocar a cadeia abaixo. Outro dizia que se não quebrasse tudo nada ia mudar.  Eles exigiam também a presença do diretor do presídio no local e diziam que queriam melhorias na penitenciária.

Sejusp diz que não há abusos contra os presos

Por meio de nota a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) informou que não ocorre nenhum tipo de abuso contra os detentos da penitenciária de Uberlândia.

“A Diretoria Regional de Polícia Penal da 9ª Região Integrada de Segurança Pública, responsável pela gestão prisional das unidades prisionais de Uberlândia, afirma, também, que não há denúncias formalizadas junto ao Departamento ou à direção da unidade prisional sobre supostos abusos realizados”, informa por nota.

“O Depen-MG ressalta que a formalização é importante para que, com os detalhes apresentados, os possíveis problemas sejam apurados e sanados. Ainda, mesmo as denúncias sendo informais, elas são apuradas pela 9ª Risp e, no momento, não há comprovações de abusos praticados contra custodiados. Quanto à queima do ônibus, o Depen-MG esclarece que acompanha e colabora com as investigações criminais, que estão a cargo da Polícia Civil”, complementa a nota.

A Sejusp informou ainda que a cadeia tem capacidade para 400 detentos e que não divulga a lotação de unidades específicas por questões de segurança.

JORNAL O TEMPO