Acusado de balear e atropelar homem é julgado em BH.

217

A Justiça mineira julga, nesta terça-feira (16), Alexandre Henrique Oliveira Amorim, acusado de balear e atropelar um homem no ano passado, em Belo Horizonte. O crime foi registrado por câmeras de segurança.

Diego Adelson de Souza foi assassinado na madrugada do dia 8 de agosto de 2020, na Rua Clarinetas, no bairro Califórnia, na Região Noroeste da capital.

Nas imagens é possível ver quando um carro estaciona. Um homem e uma jovem descem do veículo e em seguida retiram a vítima do porta-malas. Em seguida, Diego é baleado. A dupla volta para o carro e depois o motorista dá ré no carro, passando sobre o corpo da vítima.

Alexandre, que está preso, responde por homicídio qualificado por motivo torpe, meio cruel e uso de recurso que dificultou defesa da vítima.

De acordo com a denúncia do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), o réu ainda corrompeu a adolescente que participou do crime, induzindo-a à prática do ato infracional análogo ao crime de homicídio qualificado.

Casal retira homem de porta-malas, dispara tiros contra ele e ainda passa com carro por cima do corpo. Crime aconteceu em BH e foi flagrado por câmera de segurança. — Foto: Câmera de segurança
Casal retira homem de porta-malas, dispara tiros contra ele e ainda passa com carro por cima do corpo. Crime aconteceu em BH e foi flagrado por câmera de segurança.

Segundo investigações, Alexandre matou Diego porque supostamente o homem agredia a mulher dele, o que poderia atrair a atenção da polícia para ocorrência de violência doméstica e prejudicar o tráfico de drogas na região.

O julgamento, presidido pelo juiz Ricardo Sávio de Oliveira, é realizado no II Tribunal do Júri do Fórum Lafayette. A sessão começou com o sorteio dos jurados. Quatro mulheres e três homens formam o conselho de sentença e vão decidir o futuro do réu.

Segundo a assessoria do fórum, durante o interrogatório, o réu confessou que foi o autor do crime porque estava devendo traficantes da região e foi jurado de morte.

Ele ainda afirmou que se arrependeu de ter cometido o assassinato e disse que, após atirar contra a vítima e voltar para o carro, confundiu as marchas do veículo e que, por isso, passou de ré sobre o corpo.

No fim da manhã, o juiz fez um intervalo para almoço. A sessão foi retomada no início da tarde, com prosseguimento da fase de debates entre acusação e defesa.

G1 MG